quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

O SEGUNDO SOL, A chegada da Estrela da Morte


Suponha que nosso Sol não esteja só, mas tenha uma estrela acompanhante. Suponha que esta estrela acompanhante que se mova em uma órbita elíptica, com sua distância solar variando entre 90,000 UA (1,4 anos-luz) e 20,000 UA, com um período de 26 a 30 milhões de anos. Também suponha que esta estrela seja opaca ou pelo menos muito lânguida, e por causa disso nós ainda não a tenhamos percebido.


Dentro da astronomia teórica, seria uma provável estrela companheira do Sol, fazendo do Sistema Solar um sistema binário de estrelas. Ao passo de que ainda não foi observada diretamente, esta seria uma estrela escura e pequena, talvez uma anã vermelha, marrom (anã castanha), ou negra (um corpo parecido com um planeta mas sem massa suficiente para começar a “queimar hidrogênio” como uma estrela), com uma órbita dezenas, centenas ou até milhares de vezes mais distante que a de Plutão. E em determinado momento a estrela atravessa a Nuvem de Oort (uma nuvem hipotética de proto-cometas a uma grande distância do Sol) e arremessa bilhões de asteróides e cometas para todos os lados, muitos dos quais acabam vindo para o Sistema Solar e atingindo a Terra causando assim grandes extinções da vida no planeta, como por exemplo o “Evento KT” (A extinção dos Dinossauros) que ocorreu há 65 milhões de anos.
Esta hipotética “companheira da morte” do Sol foi sugerida em 1985 por Daniel P. Whitmire e John J. Matese, da Universidade da Louisiana do Sul. Ela até mesmo recebeu um nome: Nêmesis.

Ilustração da possível escala de tamanhos e disposições dos planetas


Sedna pode ser uma pista. O planeta anão Sedna, aquele mesmo que propiciou a discussão e o posterior rebaixamento de Plutão, é um objeto esquisito. Segundo Mike Brown, seu descobridor, ele não deveria estar onde está. Ainda segundo Brown, não há como explicar sua órbita, pois ele nunca está próximo o suficiente para ser afetado pelo Sol, mas também nunca está longe o suficiente para ser afetado pelas outras estrelas. Em suma, o que prende Sedna ao Sistema Solar? Além disso, a maioria dos cometas que chegam ao Sistema Solar interior (para “dentro” da órbita da Terra) parece vir de uma mesma região da Nuvem de Oort.

Esses fatos dão força à hipótese de Nêmesis, que teria de ter entre 3 e 5 massas de Júpiter no mínimo. Para esse limite de massa, ou mesmo para algumas dezenas de vezes a massa de Júpiter, esse objeto seria um planeta massivo ou uma anã-marrom. Em ambos os casos, seria praticamente indetectável no visível, mas muito brilhante no infravermelho. Mesmo Mark Brown já admitiu que esse objeto, se existir, seria muito pequeno, estaria muito longe e seria muito lento. Facilmente ele passaria despercebido nas suas observações.
É possível que esta estrela já exista em um dos catálogos de estrelas fracas sem que qualquer pessoa tenha notado algo peculiar, isto é, o enorme movimento aparente dessa estrela contra o fundo de estrelas mais distantes (i.e. sua paralaxe). Se ela for encontrada, poucos duvidarão que seja a causa primária de extinções em massa periódicas na Terra.


(As fotos foram reproduzidos ou modificadas a partir da página web de Andy Lloyd.)

Andy Lloyd, autor de "The Dark Star", apresenta uma nova e fascinante teoria sobre nosso segundo companheiro solar e o famoso planeta Nibiru, baseado na obra de Zecharia Sitchin "O 12º Planeta". Lloyd acredita que há uma pequena estrela ou sol circulando o nosso com uma órbita de cometas começando fora do Cinturão de Kuiper, de 60 a 70 UA e esticando todo o caminho para dentro da Nuvem de Oort. Seu período orbital é de pelo menos três SAR ou 10.800 anos, que é muito próximo ao que os astrônomos têm dado a órbita de Sedna. Ele orbita mais ou menos no mesmo plano que o Sol e, no mesmo sentido que os nossos planetas do sistema solar.
O que é realmente único sobre sua teoria é que esta estrela escura tem seus próprios planetas, os primeiro cinco menores, o sexto, uma terra natal do tamanho da nossa Terra, e o sétimo planeta ou objeto que nós chamamos de Nibiru. A Terra natal é muito parecida com a Terra e é onde nossos "deuses" Annunaki vivem. Nibiru é amplamente inabitável e atua mais como um navio ou estação de batalha. Quando a estrela escura está no periélio (maior aproximação de nosso Sol) de 60 a 70 UA, a órbita de Nibiru, que está a 60 UA do seu pai, tem uma órbita ampla o suficiente para passar por dentro do nosso sistema solar, geralmente nas proximidades da órbita de Júpiter, embora isso possa variar. A inclinação orbital de Nibiru é cerca de 30 graus para o nosso plano solar ou da eclíptica.
A Estrela Escura (Nemesis ou Hercólubus) com seu 7º Planeta orbitando-a, Nibiru

Como Nibiru atravessa nosso sistema solar em movimento retrógrado com os outros planetas, desempenha funções diversas, tais como deslocamento ou substituição de planetas e causando estragos gerais no processo. Sua passagem é momentânea, levando apenas algumas semanas ou meses no máximo, após o que desaparece de vista. É vermelho ardente na cor com uma cauda cheia de detritos, e circulando várias luas que às vezes usa como armas para bater outros planetas. Nibiru ou suas luas foram responsáveis por proezas tais como a destruição de Maldek (Tiamat, para os Sumérios) e de outros planetas que são agora cinturões de asteróides, as crateras e cicatrizes superficiais na Lua ou planetas de nosso sistema solar, bem como a sua axial variando inclina e orbita; do naufrágio da Atlântida e dilúvio de Noé, e Deus sabe mais o quê. É a ligação física entre nosso sistema solar e o sistema da estrela escura.
 Órbita de Nibiru (vermelho) passando através do nosso sistema solar.        

Close na passagem de Nibiru por dentro do nosso sistema solar.             

Muitos acreditam que uma vez que Nibiru provoca tanto medo, caos e destruição, que é um instrumento satânico, reptiliano ou de guerra. Na verdade, a Estrela Escura e todo o seu sistema de planetas poderia ser um falso sistema, para o nosso próprio, e dominantemente alienígena ou réptil. É este o domínio de Lúcifer e seus anjos caídos, as "trevas exteriores" de que a Bíblia fala (ver Mateus 8:12; 22:13; 25:30), com pequeno Plutão atuando como guardião dos portões para o inferno?
Não temos uma versão em miniatura de Nibiru e a Estrela Escura no nosso próprio planeta? Se a nossa Terra oca pode ser comparada a de um cosmos ou do sistema solar e seu dom interior central para uma estrela em torno da quais outros objetos (representando planetas) giram, então temos um modelo semelhante, só que em escala muito menor. Veja dom interior da Terra neste site.
Astrônomo Alessandro Morbidelli na Cote D'Azur Observatório postula que a nossa Estrela Escura pode ter um período orbital de até seis SARS ou 21.600 anos. Ele baseia isso no período do Grande Ano Babilônico de seis SARS mencionados por Roman Censorinus chronologist no século III dC. Isso é perto do período do ano 25.920 que o astrónomo Pickering deu a sua volta o planeta Q em 1909. Após cada período, ou revolução pólos da Terra se tornar equadores causando grandes catástrofes.
Como Andy Lloyd, Morbidelli acredita que a nossa Estrela Escura é atualmente passado seu periélio (distância mais distante do Sol) e em seu caminho de volta, mas tem um longo caminho a percorrer. Ele também acredita que agora está localizado em algum lugar nos campos de estrelas ricas de Sagitário onde não é tão fácil de observar.


O que diz o Movimento Gnóstico?


Hercólobus é o grande e verdadeiro causador dos diversos distúrbios climáticos que vêm sendo divulgados na Imprensa de todo o mundo. Os tsunamis, os terremotos, os furacões, o degelo dos pólos, tudo isso tem uma única e derradeira causa: A aproximação cada vez maior deste famigerado planeta.
El Niño, um fenômeno conhecido pelos cientistas, é nada menos que uma série cíclica de alterações climáticas que ocorrem no Oceano Pacífico e que repercute no mundo todo.
Quais são suas causas? O El Niño ocorre devido a uma gigantesca falha geológica que percorre a costa sul-americana, que vai até a Antártida. Essa falha permite que os fogos do interior da Terra se comuniquem com o Oceano, gerando pressões e alterações geofísicas fantásticas no mundo submerso. Essas alterações provocam aumentos cíclicos na temperatura do Pacífico.
Tais alterações do El Niño se devem às influências cada vez maiores e perigosas de Hercólobus sobre o magma terrestre. Mais cedo ou mais tarde, iremos presenciar um aumento dos cataclismos nunca antes imaginado pela ciência dita moderna.
Qual a causa da falha e dos desequilíbrios constantes, desde há milênios? Isso se deve ao afundamento da Atlântida, há cerca de 12 mil anos antes de Cristo, desequilibrando assim todo o continente americano, elevando a costa ocidental e rebaixando perigosamente a costa atlântica das Américas. Grosso modo, é como se o continente atlante estivesse “torto”, inclinado no sentido Pacífico > Atlântico… Essa inclinação, segundo o VM Samael Aun Weor, é tão perigosa que a qualquer momento toda a Amazônia (brasileira, peruana, colombiana etc.) será afundada, com conseqüências inimagináveis para o planeta todo. Possivelmente, esse afundamento de toda a região amazônica se dará com a erupção do supervulcão de Yellowstone, no centro dos EUA, a qual afetará em pouco tempo todo o continente americano, do Alasca à Patagônia, afundando não somente a Amazônia, mas grande parte da América do Sul.
Hercólobus é um mundo gigantesco, poderoso, seis vezes maior que Júpiter e pertence ao Sistema Solar de Tylo (este sol pertence à cadeia de estrelas, mais precisamente à sexta estrela, Taigeta que gira ao redor de Alcione.


Não é como alguns supõem, um planeta deslocado de algum sistema solar, um planeta perdido. Não se deslocou nem está perdido no universo. Pelo contrário, é o planeta mais afastado, de todos que giram ao redor de Taigeta.
Hercólobus pertence ao sistema solar vizinho ao nosso. A Terra faz parte do sistema solar chamado na gnose de Ors. E Hercólobus, do sistema solar de Tylo, ou, como os astrônomos o chamam, de Taigeta. A órbita de Hercólobus é a mais externa (como se vê na segunda imagem abaixo) e cruza a órbita terrestre de tempos em tempos. É quando os dois planetas passam perigosamente um com o outro. (Neste período, dois outros planetas também terão suas órbitas afetadas diretamente por Hercólobus: Marte e Urano.

Ilustração tomadas do livro "Los Hijos del Quinto Sol" de Samael Aun Weor

Repito: ele gravita ao redor do Sistema Solar de Tylo (nome esotérico de Taigeta). Dentro de pouco tempo, o gigantesco mundo passará por um ângulo do nosso sistema solar, e então, precipitará o Juízo Final.
Na mecânica celeste, Hercólobus irá, entre outros efeitos, verticalizar os polos (a Terra tem uma inclinação, em relação ao Sol, de cerca de 23 graus), e com essa verticalização abrupta, os mares invadirão quase 100% da área seca do planeta, eliminando quase toda a vida. Este planeta é uma peça importante da grande maquinaria cósmica e pode ser encarado como um “planeta cármico”. A aproximação de Hercólobus está às portas. O fogo líquido do interior da Terra, com o choque magnético entre Terra e Hercólobus, será atraído para a superfície e originará mais e mais vulcões e, em geral, o elemento ígneo fará arder tudo o que é e tudo o que foi. Imagine as cinzas vulcânicas espalhando-se por toda a superfície, causando horrores inimagináveis…
Por isso, Pedro disse: “e os elementos, ardendo, se dissolverão, e a terra, e as obras que nela há, serão descobertas.” (II Pedro 3:10).
A água fará um dueto com o fogo. A revolução dos eixos da Terra mudará os leitos dos mares e perecerão todos os seres humanos e animais.
Samael Aun Weor enfatiza: Agora quero que entendam por que estamos formando o Exército da Salvação Mundial, nós queremos iniciar uma nova civilização, uma nova cultura. Os tempos apocalípticos do fim chegaram. A humanidade já rasgou seis selos do grande livro de São João, quando rasgar o sétimo selo do fim, produzir-se-á a catástrofe. [o sétimo selo é o mesmo Katum 13 dos maias.]
Poderiam objetar que muitos outros, antes, no passado, aguardaram o fim e que nada aconteceu. Assim como no continente atlante houve uma raça escolhida, que serviu de base ao núcleo, para a formação desta nossa 5ª raça Ária, perversos habitantes destes 5 continentes, assim, também, direi: HOJE FORMAR-SE-Á UM NÚCLEO PARA A SEXTA RAÇA-RAIZ.
Assim como os atlantes não creram no Manu Vaivasvata, quando este disse que os tempos do fim haviam chegado, e nas vésperas da Grande Catástrofe divertiam-se, davam-se em matrimônio, bebiam, comiam e no dia seguinte eram cadáveres, assim também será agora.
Repetirei enfaticamente: NÃO SEREI ACREDITADO POR TODOS, SEM DÚVIDA, MUITOS RIRÃO, dizendo: ‘Sobre o fim do mundo muito se tem falado, e daí?’
Pedro, o apóstolo, adiantou-se dizendo: ‘...nos últimos dias virão escarnecedores com zombaria andando segundo as suas próprias concupiscências, e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação.’ (II Pedro 3:3 e 4).
Hercólobus aproxima-se, lenta porém inexoravelmente.
Os atlantes também riram-se da catástrofe, em seu tempo, mas quando a revolução dos eixos da Terra fez com que os mares mudassem a localização de seus leitos, submergiu a Atlântida com todos os seus milhões de habitantes. Hoje, novamente, aproximamo-nos de outra catástrofe.
Eu, Samael Aun Weor, assim como o Manu Vaivasvata (Noé), estou advertindo, como naquele tempo adverti aos atlantes: A HORA FINAL APROXIMA-SE, JÁ VEM ESSE MONSTRO PLANETÁRIO GIGANTESCO QUE HÁ DE TRAGAR O MUNDO.
Ao falar assim, sei que muitos de vocês oferecerão resistência, secretamente se riem, mas está escrito: ‘Aquele que ri do que desconhece está a caminho da idiotia’. Assim, pois, preparemo-nos.
A Terra neste momento está gemendo, está sendo submetida a grande agonia, e o fim de toda agonia chama-se morte. Quando um enfermo agoniza, quando apresenta sintomas inconfundíveis de sua morte, bem sabemos, torna-se defunto.
É o desenlace. Quando observarmos o sol sair, cada vez mais para o lado setentrional, saberemos que o tempo do fim está mais perto e aproxima-se a catástrofe.
Como na Atlântida formou-se um povo seleto, assim também, estamos formando atualmente um povo seleto. Refiro-me enfaticamente ao EXÉRCITO DE SALVAÇÃO MUNDIAL. Esta mensagem que estamos entregando haverá de alcançar toda a redondeza da Terra, a todos os corações.
A Gnose brilhará dentro em breve nos corações dos seres de todos os continentes e será precisamente no continente asiático que atingirá o seu apogeu, nesta primeira fase do labor de difusão. Logo, os irmãos encarregados deste labor nos retiraremos ao silêncio e à meditação, até que esteja pronta a ‘levedura’, até ser chegado o momento.
Momentos antes da Catástrofe, tiraremos de dentro do fumo e das chamas aqueles que tiverem trabalhado sobre si mesmos.
Aqueles que tenham se transformado. Aqueles que eliminaram de sua psique os elementos não humanos que possuímos… Serão selecionados, levados a um lugar secreto, a uma Ilha no Pacífico. Dali, contemplaremos o duelo do fogo e da água durante séculos.
Depois da catástrofe, a Terra ficará envolta em fogo e vapor de água. A nós, os Irmãos, caberá tirar o Povo Seleto para viver num lugar escolhido, até a Terra estar novamente em condições de estar habitada. Do fundo dos mares, surgirão novas terras e quando um duplo arco-íris resplandecer no firmamento, sinal da nova aliança entre Deus e os homens, passaremos o povo selecionado para habitar novas terras e novos céus.
Creio que agora estão entendendo o sentido da invasão do EXÉRCITO DE SALVAÇÃO MUNDIAL.
Porém, nem toda a humanidade nos ouvirá, como também não escutaram o Manu Vaivasvata. Em sua época, riram dele. Também não ouviram os paladinos daquela época.
O povo nunca aceita a dura realidade dos fatos, até que os sinta sobre ele. O povo sempre busca escapatórias, avasivas, crê poder continuar como está, até que venha o fracasso.”

Até aqui, as advertências de Samael.


O Sol Negro

O VM Samael Aun Weor afirmava a existência e a realidade de um Sol Negro, irmão gêmeo deste Sol que nos ilumina e dá vida. Samael diz o seguinte:

“Há dois tipos de ‘integração’, podemos nos integrar ao Ser e essa é a Integração Cósmica, a Cristalização Cósmica. E há outra integração, meus queridos irmãos. É a Integração Negativa; os que integram o Ego se convertem em demônios terrivelmente perversos, os há: os Magos Negros que o têm cristalizado… Os Magos Negros que rendem culto a todas as Partes do Ego, que o reuniram em si mesmos, que o integraram totalmente. Essa é uma integração negativa, a integração do Ego.
 Há escolas que rendem culto ao Ego e que não querem desintegrar o Ego, que o veneram como anjo… que consideram os distintos agregados psíquicos como valores positivos, maravilhosos, e que cuidam dele. Esses equivocados integram o Ego e se convertem em tenebrosos! Sumamente fortes! Magos das trevas! Há deles no Sol Negro, que é por oposição a antítese do Sol que nos ilumina; os há nas entranhas do submundo; os há em Lilith, a Lua Negra… São cristalizações equivocadas, integrações negativas.
Também existe um Sol Negro, que é o contrário do Sol Branco, e está feito de matéria astral. Esse Sol Tenebroso é a sede de terríveis e malvados seres. O Diamante Negro está influído por esse Sol Tenebroso. Orhuarpa estabeleceu o culto do Sol Tenebroso na Atlântida e essa foi a causa do Dilúvio Universal e do afundamento da Atlântida. No coração desse Sol moram seres de uma malignidade terrivelmente desconcertante. Seres tão monstruosos como jamais poderíamos imaginar. Um terrível abismo conduz ao coração desse sol.”

Símbolo do Sol Negro, trazido do Tibet

 Sala do Schwarze Sonne (Sol Negro) no Castelo de Wewelsburg, sede da SS.



O Socialismo Nacional (“Nazismo”) e o Culto ao Sol Negro

Até aqui, as terríveis palavras do VM Samael Aun Weor sobre o Sol Negro.
Estudar os acontecimentos que terminaram por desencadear a Segunda Guerra Mundial e a atual Nova Ordem Mundial é muito relevante para os estudantes gnósticos. Isso nos leva a compreender como se encontra a sociedade moderna e todos os seus intrumentos de repressão, políticos, sociais, imprensa, materialismo, valores diversos etc.
Obviamente, o tema nazismo é muito delicado, e tratá-lo de forma imparcial é bastante difícil. Não iremos tratar das implicações políticas especificamente, mas sobre o lado dito oculto, esotérico, que envolveu o nascimento, apogeu e queda do III Reich.
Muitos livros e documentários foram produzidos sobre o tema Ocultismo Nazista. Ordens secretas, iniciados, magos brancos, magos negros, complôs para controlar o mundo, luta entre o bem e o mal etc. Onde está a verdade por trás disso tudo? Onde há fantasias? E a Gnose de Samael, o que tem a dizer sobre esse tema tão complexo?

Depois do afundamento da Atlântida, o Culto ao Sol Tenebroso se estendeu por diversos lugares, tais como a África, Norte da Europa, Pérsia (culto a Ahrimã) e, especialmente, no Tibet. A seita negra dos Dugpas, pólo contrário da Grande Fraternidade Branca do Tibet, exportou esse culto para a Europa em meados do século 20, quando pesquisadores nazistas estiveram na Ásia em busca da misteriosa cidade perdida de Shamballah. Diversos exploradores nazistas, entre eles Wilhelm Landig, Rudolf J. Mund e Jan van Helsing, confundiram o Culto ao Sol Sagrado dos Mestres da Luz com o Culto ao Sol Negro, dos Dugpas.
No coração do Socialismo-Nacional (nazismo), Heinrich Himmler, Reichsführer-SS (líder supremo das SS) e chefe da polícia alemã, um dos braços direitos de Adolf Hitler, em seus desmesurados delírios de grandeza, abraçou o culto ao Sol Tenebroso com um fanatismo nunca antes visto naquele terrível período de nossa história recente.
Himmler foi praticamente o sumo sacerdote do culto ao Sol Negro (Schwarze Sonne). Os rituais efetivados no Castelo de Wewelsburg, sede das SS, foi definitivamente, a causa esotérica do afundamento, derrota e destruição do nazismo, devido a que ali se atraiu uma energia extremamente pesada e negativa, esotericamente falando…
Na sala que vemos ao lado, Himmler reunia-se com 12 líderes das SS (os 12 Gruppenführers), “altos iniciados” das SS, no Castelo de Wewelsburg, e efetuava rituais tenebrosos ao redor do símbolo do Sol Negro.
O chefe de Inteligência das SS, Walter Schellenburg, certa vez comentou o que havia visto no castelo: “Aconteceu que eu entrei acidentalmente no quarto e vi esses 12 líderes SS sentados ao redor de um círculo, todos submergidos em profunda e silenciosa contemplação; foi de fato uma visão notável.”
Mas como se iniciou o interesse dos nazistas pelo Sol Negro?
A Sociedade de Estudos para a Antigua História do Espíritu (Deutsche Ahnenerbe), mais conhecida como A Herança dos Ancestrais, foi criada no dia 1º de julho de 1935. Em seus primórdios, funcionou como um Instituto de Investigações avançadas das SS para logo se tornar independente. Seus mentores foram Henrich Himmler, Herman Wirth e Walter Darre.
Havia 43 departamentos da Ahnenerbe, dos quais um era bastante insólito, era aquele que se dedicava a atividades ocultistas. Os interesses dessa verdadeira confraria, altamente seleta, versavam sobre a busca do Santo Graal, escavações de vestígios atlantes, exploração e contato com as culturas místicas do Tibet, práticas de yoga, estudos de antigos cultos pagãos, viagens ao interior da Terra para comprovar se esta é realmente oca etc. O grande líder dessa seção, depois de Himmler, era Friederich Hielscher, um homem enigmático e do qual há poucos dados.

Ernst Schäfer, chefe da expedição nazista ao Tibet de 1938-1939



Hielscher impulsionou a famosa expedição ao Tíbet (1938-39). A missão foi comandada pelo antropólogo Ernst Schaefer, acompanhado por cinco sábios alemães e 20 membros das SS.
Sob o lema “Encontro da suástica ocidental com a oriental”, conseguiram estabelecer contatos políticos de alto nível com o governo tibetano que se manifestaram, entre outros, na declaração oficial de amizade intitulada Qutuqtu de Rva-sgren. O regente tibetano pôs por escrito a atenção do notável senhor Hitler, rei dos alemães, que conseguiu alcançar o poder sobre parte do mundo”.
Foram realizados estudos raciais e se filmou um documentário. Entre os documentos que os expedicionários levaram a Berlim conta-se o Kangschur, “um conjunto de sagradas escrituras tibetanas em 108 volumes”, além de um ritual de iniciação guerreira tântrica do Kalachakra.

Símbolo da Ahnenerbe

Porém, a mais importante e secreta missão ao Tibet teve um objetivo menos divulgado, que foi o de estabelecer contatos com os habitantes de um reino subterrâneo, chamado Agartha ou Shamballah. O resultado? É sabido que em vez de contatarem os veneráveis mestres da Grande Fraternidade Branca, como já dissemos acima, os expedicionários nazistas levaram para a capital alemã o que de pior havia no mundo: representantes do Clã dos Dugpas, adoradora do Sol Negro.


O Xamanismo Brasileiro (Pajelança)

 

Há muito tempo, os indígenas começaram a adorar um deus branco, de barbas e cabelos ruivos, de nome Sumé (ou Pay Sumé, Zumé, ou Tumé, o qual os jesuítas logo trataram de associar à São Tomé, para facilitar a evangelização e conversão dos indígenas) que há muito veio através do oceano, pelos mares, gravou as inscrições da Pedra do Ingá, na Paraíba, e deixou pagadas estampadas em grande parte do território brasileiro; pegadas essas, fossilizadas, foram e são até hoje, objetos de culto entre os silvícolas (indígenas) e entusiastas do gênero.
Costuma-se fazer a seguinte prece, usada para saudar Pay Sumé:
"Guardião de nossa pátria, protetor destas terras, purifica onde vivemos de todo o miasma e protege nossos lares dos seres malvados.
Vigia nossas matas, rios, cachoeiras e montes, Sumé!
Guarda nosso povo dos inimigos e exploradores, Grande Pajé!
Tua bênção, que vem do Toryba e do Coaracyguaçú, se espalhe por onde eu caminhar, Tonapa, nosso Pai!"

(TORYBA: o paraíso ou morada de Tupã, o Deus Criador.
COARACYGUAÇÚ: o grande Sol invisível que fica atrás do nosso Sol visível. Lugar onde vivem os espíritos puros ou encantados dos primeiros tempos).

Coaracyguaçú, seria então, esse "segundo Sol" invisível e poderoso, redescoberto pela ciência nos dias atuais.

A Cosmogonia Antiga

Hebreus e Cristãos

As mais antigas culturas no mundo afirmam a existência desta estrela, por vários nomes diferentes (Absinto, Ekolubus, Hercolubus, Nemesis) e anunciam a sua vinda assossiando-a com os desastres finais, assim como referido na Bìblia, no Apocalipse de João:

“O terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela, ardendo como uma tocha, e caiu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas. O nome da estrela era ABSINTO; e a terça parte das águas tornou-se em absinto, e muitos homens morreram das águas, porque se tornaram amargas.”             Apocalipse 8:10-11

 Ilustração da passagem bíblica de Apocalipse 8:11

O absinto: a planta amarga ao qual o texto bíblico se refere. Usada para fabricação de bebida de nome homônimo

Gregos

NÊMESIS é a figura da vingança divina e representa a força encarregada de abater toda a desmesura (hybris), como o excesso de felicidade de um mortal ou o orgulho dos reis, por exemplo. Essa é uma concepção fundamental do espírito helênico:

“Tudo que se eleva acima da sua condição, tanto no bem quanto no mal, expõe-se a represálias dos deuses. Tende, com efeito, a subverter a ordem do mundo, a pôr em perigo o equilibrio universal e, por isso, tem de ser castigado, se se pretende que o universo se mantenha como é. “

 Nêmesis, deusa grega da vingança e da ética. Pintura de Alfred Rethel (1837).

 Nêmesis e Tique. De um antigo vaso grego.

Hercólubus e os Sumérios

      Hercólubus é um suposto planeta, descrito pelo autor Joaquín Amortegui Valbuena (conhecido pelo pseudônimo de V. M. Rabolú), em seu livro “Hercolubus ou o Planeta Vermelho”. Segundo ele, esse planeta estaria se aproximado perigosamente da Terra, como no passado, quando teria submergido o antigo continente da Lemúria (Um) e a Grande Atlântida. Seu nome é oriundo dos antigos sumérios que o chamavam de Ekolubus.
           Alguns, julgam que Hercolubus seria a estrela Barnard, o que na realidade não procede, pois tal estrela foi medida e sua distância é de 5,98 ± 0.003 anos luz da Terra.A esta distância ela deveria estar viajando a uma velocidade de 16 mil quilômetros por segundo (uma fração apreciável da velocidade da luz) para atingir a Terra em menos de um século, mais aproximadamente menos de cinco anos. Outra inverossimilhança é a confusão com Nibiru, que é na verdade uma Merkaba, ou seja, uma embarcação de Luz de seus habitantes os *nefilins ou nibiruanos. Apesar de estar se aproximando da Terra, a estrela de Barnard vai estar em seu ponto mais próximo do Sol aproximadamente no ano 11.700, quando estará a cerca de 3,8 anos-luz.[2] Esta distância é só um pouquinho menor que a distância da estrela mais próxima do Sol, Proxima Centauri, se encontra hoje. Segundo alguns autores é o planeta mais externo do Sistema Solar, tendo uma órbita aproximada de 6.666 anos terrestres.


*Nefilim é uma raça primitiva que existiu antes e depois do dilúvio. Essa descrição é corroborada pelas traduções de tábuas de argila feitas por Zecharia Sitchin, encontradas numa região na confluência dos Rios Tigre e Eufrates, no atual Irã/Iraque, chamada Suméria (que a bíblia traduz como “Planície de Sinear”, contendo os textos da criação feita por essa raça gigante, chamada Annunaki (o qual a bíblia traduz por “Anaquins”, “Enaquins” ou “Filhos de Anaque (Enaque)”



A Conspiração da NASA para encobrir o fato

         Existe uma grande conspiração para encobrir as verdades dos fatos de tudo isso que se teoriza, e esta conspiração é feita pela NASA. Textos sobre isso são facilmente encontrados por toda a internet, mostrando, por exemplo, a tarja preta colocada pela NASA nas fotos de satélites enviadas ao Google Earth/Sky.
          A Pergunta é: “O Que o Google Sky Escondeu de 2007 a 2012?”

  Desde 2007 um mistério circunda a internet e ele está contido na imagem abaixo:
Como pode-se ver, uma grande porção do céu está escondida por uma tarja preta quando se acessa o Google Earth na função Sky. Este evento já foi analisado e provado como não sendo um erro de programação e sim algo deliberadamente colocado ali. Curiosamente, aquele mesmo setor do céu não foi atualizado entre 2007 e o ressurgimento da polêmica no início deste ano.
Mas, se não há confirmação de nenhum evento que possa ser encarado como "sinal do fim do mundo" ou anomalia (divina ou não), por quê esconder essa parte específica do céu???
Primeiro vamos à resposta padrão da NASA e outras agências: "Nós editamos as fotos dos satélites porque Saturno estava muito brilhante". SENTIDO? NENHUM. Com certeza o brilho extremo de Saturno não iria prejudicar nossos olhos ao observá-lo em uma foto de telescópio.
Agora, reunamos outras teorias:
a) ELENIN. Uma teoria formulada em 2008 dizia que a NASA tentava esconder o cometa Elenin para que alguns teóricos da conspiração não fizessem alarde demais e colocassem pessoas desinformadas em pânico. Isso faz um certo sentido, porque foi ainda em 2007 que se teve a primeira visão do Elenin, um cometa que nem a NASA sabia da existência, da sua órbita extremamente próxima da Terra e muito menos da passagem eminente por nosso planeta em novembro de 2011.
b) NIBIRU. Em 2009 já se falava da vinda de Nibiru e as catástrofes que culminariam no fim do mundo em dezembro de 2012, o que despertou a curiosidade de muitos e a declaração por parte dos teóricos de que o Google tentava esconder Nibiru para que não soubéssemos de nosso fim. Uma teoria intrigante e com algum sentido se tivermos em mente que o bloqueio da imagem poderia ser providencial a esse propósito.


Imagem mostra o espaço por trás da tarja do Google, onde é possível ver o suposto Nibiru (com o que seriam 4 satélites) ou o cometa Elenin

c) A ESTRELA AZUL HOPI. Os Hopi, povo indígena da América do Norte, tinham encrustradas em suas crenças idéias parecidas com a visão dos Maias sobre o fim do mundo em 2012. Para eles, a chegada da Estrela Azul (um cometa, pois estes têm caudas azuis) anunciaria o fim quando fosse visível nos céus. De fato, imagens recuperadas do IRAS datadas de pouco antes do bloqueio do Google mostram uma pequena estrela azul exatamente no centro da imagem censurada e ao aproximarmos podemos ver uma espécie de cauda.
d) NAVES ANNUNAKI. Segundo os Sumérios, os Annunaki criaram o primeiro Homem, o qual se chamou ADAMO (seria ele o ADÃO da Bíblia?), para que ele povoasse a Terra e desenvolve-se seus recursos para que ao voltarem aqui os Annunaki tivessem base para se instalar. Este retorno foi descrito em tábuas com escrita cuneiforme sumeriana para um período 7000 anos à frente. Sabendo que os Sumérios surgiram pouco depois de 5000aC, os 7000 anos da profecia sumeriana seriam fechados no início dos anos 2000.
Baseando-se nesse conhecimento histórico, teóricos elaboraram a idéia de que atrás do bloqueio estão naves Annunaki que trazem de volta os criadores do Homem para retomar a Terra e pôr um fim em nossa espécie. De fato, quando olhamos as imagens anteriores a 2007 onde não há a tarja preta, podemos ver um objeto dourado e quase em forma de torre, quase semelhante a uma nave extraterrestre dessas vistas em filmes de ficção científica.

Imagem 1: Magnificação mostrando os dois pontos polêmicos. Em azul, a possível Estrela Azul Hopi;em amarelo, a suposta nave Annunaki.

Imagem 2: Magnificação do ponto azul, o qual claramente se trata de um cometa e se encaixa no profecia da Estrela Azul Hopi.

Imagem 3: Magnificação do ponto amarelo, o qual parece uma espécie de nave dourada.

e) DEUS. A Bíblia conta em Apocalipse 21:10 que uma cidade viria dos céus e pairaria sobre a Terra como a morada de Deus no fim dos dias. O crentes mais fervorosos compararam a estranha imagem (Imagem 3) parecida com uma nave dourada com a profecia da Bíblia e assinalaram que o Google tenta esconder a volta de Jesus e a vinda de Deus.

Acompanhe abaixo dois vídeos que tentam explicar e mostrar o que a NASA e o Google teriam escondido pelos últimos cinco anos:
 
 

Com a polêmica novamente tomando a internet, o Google atualizou a imagem e parece ter apagado os pontos analisados acima. Também é bem possível que, se forem pontos móveis (como cometas, naves, etc), eles tenham saído do ponto de captura da câmera dos telescópios e possibilitado uma imagem limpa para despistar quaisquer teóricos.
Mas fica alguma coisa para trás e a NASA parece ter esquecido algo grande como o que se vê na imagem abaixo:

Imagem do mesmo local onde se encontrava a tarja preta mostra um objeto estranho de luz branca

O que seria isso que a NASA deixou escapar? Com certeza não é Saturno, pois as coordenadas dessa região do céu estão a extremo Sudoeste do planeta.
E ainda tem mais: Saturno tem seu próprio mistério. A NASA divulgou que teve de colocar a tarja preta sobre Saturno porque ele estava brilhante demais, mas como dissemos, o planeta não está na posição em que o bloqueio se encontrava. A imagem atual liberada pela agência mostra o mistério da luminosidade excessiva que ela tenta esconder.

Imagem atual de Saturno mostra claramente que a luminosidade excessiva não é do planeta e sim de um astro que está atrás dele

Todas as especulações sobre o que seria ou do que seria essa luminosidade por trás do planeta são exatamente isso, apenas palpites, mas há de se convir que muitas teorias e profecias sobre o fim dos tempos falam sobre a aproximação de um grande planeta que só seria visto depois que cruzasse a órbita de Saturno e estivesse em rota direta de colisão com nosso planeta. A data do evento catastrófico é a mesma de sempre: Final de 2012.

 Assista o vídeo e tire suas conclusões:


2 comentários:

  1. SIMPLESMENTE NO MÍNIMO ADMIRÁVEL SUA MATÉRIA!!

    ResponderExcluir
  2. Modesta opinião.
    Sem descrer, mas O Sol Central espiritual, está presente em todas filosofias antigas e especialmente na Religião, é o pano de fundo do Monoteísmo revivido por Akhenaton a imagem dos raios desse sol dourado está nas pinturas egípcias e outros cultos ligados ao monoteísmo. Eu prefiro acreditar que a presença dessa crença entre os povos nativos aqui deve-se ao fato da colonização Fenícia no Brasil em 1.100 AC, Já que os Fenícios trouxeram Engenheiros Egípcios e a parceira com os Hebreus que até fundaram uma colonia de Hebreus na Amazônia, O rio Solimões nome dado em Homagem ao grande monarca Salomão que na época Reinava em Israel que importou grande quantidade de ouro e Madeira do Brasil para suas obras famosas do templo etc. Conclusão: O sol do qual fala o folclore indígena é o sol central espiritual. Isto é o próprio Deus.

    ResponderExcluir